Ocorreu um erro neste gadget

Pesquisar este blog

Páginas

Windows Live Messenger

29 de mai de 2010

CALENDÁRIO DO RADIOAMADOR

WWW.GUIADORADIOAMADOR.COM

CONCURSO

EVENTO


DATA INÍCIO ou

DATA DO EVENTO


DATA TÉRMINO ou

DATA DO EVENTO




JANEIRO




Pe. Landell de Moura


Aniversário


21 de janeiro de 1861

Concurso CWRJ


3º final de semana de janeiro


3º final de semana de janeiro

Hungarian DX Contest


3º final de semana de Janeiro Saturday 1200 UTC


3º final de semana de Janeiro Sunday 1200 UTC

REF CW


4º fim de semana de janeiro CW das 0600 UTC (sábado) 4º fim de semana de fevereiro SSB das 0600 UTC (sábado)


4º fim de semana de janeiro CW a 1800 UTC (domingo) 4º fim de semana de fevereiro SSB a 1800 UTC (domingo)
RODADA INTERBRASILEIRA Encontro internacional (Niteroi/RJ) 4º final de semana de janeiro




FEVEREIRO




Criação da LABRE


Foi criada em:


01 de fevereiro de 1931

Estatuto da LABRE


Fundação da Labre com Estatuto


02 de fevereiro de 1934

RSGB 1.8 MHz CW Contest


2º final de semana de fevereiro 3º final de semana de novembro Das 21:00 UTC (Sábado)


2º final de semana de fevereiro 3º final de semana de novembro as 01:00 UTC (Domingo)

ARRL International DX Contest


CW 3º fim de semana de fevereiro das 00:00 UTC (sabado) Fonia 1º fim de semana de março das 00:00 UTC (sabado)


CW 3º fim de semana de fevereiro as 24:00 UTC (domingo) Fonia 1º fim de semana de março as 24:00 UTC (domingo)

KD - Key Day


ultimo final de semana de Febrero Das 1800Z del sábado


ultimo final de semana de Febrero Até 0600Z del domingo




MARÇO




Bermuda Island


3º final de semana de março das 00:01 UTC (sabado)


3º final de semana de março as 2400 UTC (domingo).

WPX Contest Fonia


SSB: 4º final de semana de março CW: 4º final de semana de maio Inicio: 00:00 UTC (Sábado)


SSB: 4º final de semana de março CW: 4º final de semana de maio Término: 24:00 UTC (Domingo)




ABRIL




Dia Internacional do Radioamador


Data internacional


Dia 18 de abril

Baden Powell


1º Final de semana de Abril Dàs 21:00h UTC (Sábado)


1º Final de semana de Abril Até 21::00h UTC (Domingo)

JIDX - Japan International DX Contest


2º final de semana de Abril CW Sábado 0700UTC 2º final de semana de Novembro PH Sábado 0700UTC


2º final de semana de Abril CW Domingo 1300UTC 2º final de semana de Novembro PH Domingo 1300UTC

Brasilia


CW 3º final de semana de Abril Das: 21:00 ás 20:59 UTC Bandas: 20/40 M


FONIA Feriado de Tiradentes (Abril) Das: 00:00 ás 23:59 UTC Bandas: 20/40/80 M

CQWS – CQ World Scouts


4º final de semana de abril das 9h UTC de Sábado


4º final de semana de abril até 21h UTC de Domingo

Concurso Samuel Morse CW


4º final de semana


4º final de semana

Concurso Marenchal Rondon CW


4º final de semana


4º final de semana




MAIO




Dia das comunicações


Comemorado no Brasil


05 de maio

Dia mundial das telecomunicações


Comemorado no mundo


17 de maio

Dia do telegrafista


Comunicaçõe em código morse


24 de maio

Concurso Marenchal Rondon SSB


1º final de semana


1º final de semana

ARI International DX Contest


5 de Maio Das 20:00 UTC de Sábado.


6 de Maio Até 19:59 UTC de domingo.

Marinha Portuguesa 2007


1º Final de semana de maio início às 1500H UTC


1º Final de semana de maio fim às 1500H UTC

CWJF - Manchester Mineira 2008


3º final de semana de Maio. 15:00 horas UTC de sábado


No 3º final de semana de Maio. 23:59 hs UTC de domingo.

WPX Contest CW


SSB: 4º final de semana de março CW: 4º final de semana de maio Inicio: 00:00 UTC (Sábado)


SSB: 4º final de semana de março CW: 4º final de semana de maio Término: 24:00 UTC (Domingo)




JUNHO




Concurso dia do Telegrafista


1º final de semana


1º final de semana

SEANET Contest 2007


1º final de semana de Junho Start 1200 UTC (24 hours)


1º final de semana de Junho Finish 1200 UTC (24 hours)

2008 GACW WWSA CW DX Contest


2º final de semana de Junho Das 15.00 UTC sábado


2º final de semana de Junho Até 15.00 UTC del domingo

All Asian DX Contest, CW


3º final de semana (junho CW) De UTC 0000 do Sábado (48 hs) 1º final de semana (setembro Fonia) De UTC 0000 do Sábado (48 hs)


3º final de semana (junho CW) a UTC 2400 do Domingo (48 hs) 1º final de semana (setembro Fonia) a UTC 2400 do Domingo (48 hs)

The XI Marconi Memorial Contest HF 2007


4º full week-end of June from 14.00 UTC Saturday till 14.00 UTC Sunday. In 2007 it will be on 23-24 June.


Every IV full week-end of June from 14.00 UTC Saturday till 14.00 UTC Sunday. In 2007 it will be on 23-24 June.




JULHO




Independencia De Venezuela


1º final de semana de Julho Sábado Dás 00:00 UTC del 07-JUL-2007


1º final de semana de Julho Domingo ás 23:59 UTC del 08-JUL-2007

IARU HF world championship


2º fim de semana de julho 1200 de UTC sábado


2º fim de semana de julho UTC 1200 domingo

Competência Radiotelegráfica Argentina


Terceiro domingo do mês de julho 20 m. :14.00 a 17.00 UTC 40 m. :19.00 a 22.00 UTC 80 m. :23.00 a 01.00 UTC


Terceiro domingo do mês de julho 20 m. :14.00 a 17.00 UTC 40 m. :19.00 a 22.00 UTC 80 m. :23.00 a 01.00 UTC

QRS-10


Quarto final de semana de julho Sábado 21:00h UTC (18:00h PT2)


Quarto final de semana de julho Domingo 21:00h UTC (18:00h PT2)

IOTA - Island On The Air


4º final de semana de julho das 12:00 UTC (sábado)


4º final de semana de julho a 12:00 UTC (domingo)

Fenarcom


Feira nacional de radiocomunicações


4º final de semana




AGOSTO




Semana Bandeirante


1º final de semana de Agosto (CW) das 21:00Hs UTC (Sábado) 2º final de semana de Agosto (Fonia) das 21:00Hs UTC (Sábado)


1º final de semana de Agosto (CW) a 21:00Hs UTC (domingo) 2º final de semana de Agosto (Fonia) a 21:00Hs UTC (domingo)

WAEDC European DX Contest CW


2º final de semana de agosto (CW) das 0000h UTC de Sábado


2º final de semana de agosto (CW) até 2359 UTC de Domingo)

CVA - Concurso Verde Amarelo


CW: 3º final de semana de Agosto Dás 21Hs UTC (sábado) SSB: 4º final de semana de Agosto Dás 21Hs UTC (sábado)


CW: 3º final de semana de Agosto Até 21Hs UTC (domingo) SSB: 4º final de semana de Agosto Até 21Hs UTC (domingo)

Romanian (YO) DX HF


Último fim de semana em agosto das 12 Hs UTC de sábado


Último fim de semana em agosto as 12 Hs UTC de domingo (24 horas)




SETEMBRO




All Asian DX Contest, Fonia


3º final de semana (junho CW) De UTC 0000 do Sábado (48 hs) 1º final de semana (setembro Fonia) De UTC 0000 do Sábado (48 hs)


3º final de semana (junho CW) a UTC 2400 do Domingo (48 hs) 1º final de semana (setembro Fonia) a UTC 2400 do Domingo (48 hs)

WAEDC European DX Contest FONIA


2º final de semana de setembro (SSB) da 0000h UTC de Sábado


2º final de semana de setembro (SSB) até 2359 UTC de Domingo

Farroupilha


VHF e CW 2º final de semana de Setembro: Início às 18:00h PT2 de sábado SSB: 3º final de semana de Setembro: Início às 18:00h PT2 de sábado


VHF e CW 2º final de semana de Setembro: Término às 18:00h PT2 de domingo SSB: 3º final de semana de Setembro: Término às 18:00h PT2 de domingo

Scandinavian Activity Contest (ingles)


3º full weekend of September each year CW 4º full weekend of September each year SSB:


3º full weekend of September each year CW 4º full weekend of September each year SSB

GPCW - Grupo Praiano de CW


Último fim de semana de Setembro Dàs 12 horas de Sábado (PT2)


Último fim de semana de Setembro às 12 horas do Domingo (PT2)




OUTUBRO




ODXC - Oceania DX Contest


Fonia: 1º final de semana de outubro das 08:00 UTC (sábado) CW : 2º final de semana de outubro das 08:00 UTC (sábado)


Fonia: 1º final de semana de outubro a 08:00 UTC (domingo) CW : 2º final de semana de outubro a 08:00 UTC (domingo)

JOTA - Jamboree On The Air


3º fim-de-semana de outubro Período Confraternizante Int Início Sábado 21:00Hs (PT2) Período Competitiva - Nacional Início Sábado 14:00Hs (PT2)


3º fim-de-semana de outubro Período Confraternizante Int Término Domingo 21:00Hs (PT2) Período Competitiva - Nacional Término Domingo 13:00Hs (PT2)




NOVEMBRO




Dia do Radioamador


Comemorado no Brasil


05 de novembro

CWAL


Concurso 15 de novembro


15 de novembro

IPA - Radio Club


1º fim de semana de Novembro CW: Sábado, 6- 10 e 14-18 UTC SSB: Domingo mesmas horas.


1º fim de semana de Novembro CW: Sábado, 6- 10 e 14-18 UTC SSB: Domingo mesmas horas.

CQ QRP


2º final de semana de Novembro Das 00:01 UTC do Sábado - CW Das 00:01 UTC do Domingo - FONIA.


2º final de semana de Novembro até 23:59 UTC do Sábado - CW até 21:00 UTC do Domingo - FONIA.

WAEDC European DX Contest RTTY


2º final de semana de novembro (RTTY) da 0000h UTC de Sábado


2º final de semana de novembro (RTTY) até 2359 UTC de Domingo

CWSP - Integração Brasil de CW


3º final de semana de novembro, 15:00 UTC de sábado


Todo 3º final de semana de novembro, 15:00 UTC de domingo.

Bulgarian (LZ) DX


3º fim de semana de novembro UTC 1200 em sábado


3º fim de semana de novembro UTC 1200 em domingo




DEZEMBRO




ARRL 10 metros


2º final de semana de dezembro. Inicio 0000 UTC (Sabado)


2º final de semana de dezembro. Término 2400 UTC (Domingo)

Croatian CW Contest


3º final de semana de Dezembro Dás 1400 UTC do Domingo


3º final de semana de Dezembro Até 1400 UTC do Domingo

O-QRP Contest Community


Dia 30 de Dezembro Das 1500 UTC


Dia 31 de Dezembro Até 1500 UTC

Homenagem ao Nosso Patrono Padre Landell de Moura

Homenagem ao Nosso Patrono Padre Landell de Moura
O Senador Sergio Zambiasi do Rio Grande do Sul, protocolou no último dia 03 de Março de 2010, o PLS - Projeto de Lei do Senado, n. 51 de 2010 que dispõe sobre a "Inscrição do nome do Padre Roberto Landell de Moura no Livro dos Heróis da Pátria". Veja aqui detalhes do projeto no portal do Senado.

Fonte: http://www.ptt-radio.qsl.br/

PY2UEB estará ativa durante o 8° ARTE - Acampamento Regional de Tropas Escoteiras.

Nos dias 3 a 6 de junho de 2010, estará no ar a PY2UEB, estação oficial da União dos Escoteiros do Brasil

- Região de São Paulo, na cidade de COTIA, no Santa Cruz Weekend Club (Rod. Raposo Tavares, saída 36, Est. Morro Grande, 3201,ao lado do Clube dos Comerciários). Visando a difusão do Radioescotismo, a aplicação de jogos envolvendo o radioamadorismo e a demonstração aos mais de 1000 jovens participantes (com idades entre 10 e 14 anos), pretende-se operar nas bandas de 80 a 10 metros em SSB. Os QSL - válido para diplomas - podem ser

solicitados por meio de SASE (envelope auto endereçado e selado) ou via Bureau, ao manager PY2OP

(ver endereço em www.qrz.com).

Mais informações sobre a atividade, no site do ARTE (www.arte2010.com.br).

Informação:
PY2OP - Samir - Diretoria de Radioescotismo da LABRE-SP
Fonte:
PY2KI - Paulo - Coordenador da Equipe Regional de Radioescotismo da UEB

Podemos conversar ?

Às vezes nós conversamos com amigos sobre uma série de coisas que qualquer um poderia conversar em um lugar público. Às vezes não conversamos sobre nada – apenas fazemos contatos. E às vezes fazemos um contato que se transforma em uma verdadeira conversa, e possivelmente em uma amizade.


Para muitos de nós, poder conversar com pessoas de outros lugares e aprender alguma coisa sobre elas é o que nos atraiu primeiramente para o Radioamadorismo e ainda é a parte mais gratificante. Houve um tempo em que aproveitamos o “monopólio virtual” deste tipo de comunicação. As ligações internacionais eram muito caras e você nunca conheceria um estranho desta maneira. Você poderia se comunicar com um “pen pal” (amigo por correspondência), mas demoraria semanas para trocar idéias por cartas. Poucas pessoas podiam se dar ao luxo de dispor de tempo e dinheiro para viajar a lugares distantes no mundo, e alguns lugares estavam totalmente fora dos limites – mas radioamadores podiam e regularmente quebravam a cortina de aço.


Hoje em dia a internet provê uma oportunidade similar para bilhões de pessoas, mas – mesmo colocando a mágica do rádio de lado – ainda há algo de especial em poder fazê-lo sem pagar por uma conexão e sem ter que enfrentar os spams, identidades falsas, e tantos outros problemas do mundo “online”. O Rádioamadorismo certamente tem seus próprios problemas, mas quando encontramos outro rádioamador no ar ou em pessoa, nós podemos de certo modo confiar no fato de que temos alguns interesses, experiências e valores em comum.


De fato, nós perdemos muitas oportunidades de ir além de apenas “fazer um contato”. Ouvindo as frequências licenciadas, seja no fone ou na telegrafia, o observador casual pode chegar à conclusão de que não há muito conteúdo na nossa conversação. Você pode achar que isso é uma coisa recente, trazida pela velocidade frenética do século 21, pelo curto tempo de “atenção” que damos às coisas, pelas exigências das multi-tarefas, etc. Mas não é. Procurando em edições passadas da QST, descobri a seguinte pérola, do Editor-Chefe Kenneth B. Warner, no topo desta página em março de 1936: “ Uma das coisas mais tristes no mundo do rádio é um radioamador que não consegue ter uma conversa”. O tema persiste de várias formas nas décadas seguintes.


Há um tempo e lugar para tudo. Interromper uma rodada barulhenta dificilmente é a maneira de apresentar-se para um novo amigo em potencial. Momentos de baixa propagação requerem brevidade, e não muita conversa. Participantes de contests querem que você os chame, mas gostam que se mantenha no essencial. Algumas vezes barreiras de língua, sinais fracos, ou interferência limitam nossa habilidade de progredir além do contato básico.


Mas há outras vezes onde quebrar a fórmula “QSO” – reportar o sinal, localização, nome, equipamento, antena, e talvez o clima – pode resultar em dividendos. Algumas vezes sim, outras não, mas como muitas coisas na vida, o que você tira disso depende de quanto você está disposto a investir.


Onde começar? Emprestando mais algumas palavras imortais de Ken Warner, “Anote algumas coisas sobre as quais vai falar. Nós não precisamos fuçar dentro das almas uns dos outros, mas cada novo QSO oferece possibilidades de contato humano que transcendem a mera conversa sobre equipamento e condições do circuito. O primeiro passo para aprender a se conhecer pelo ar é estar preparado para fazer a sua parte da conversa, armando-se com alguns inícios de papo”. Ele sugeriu, por exemplo, idade, ocupação, o tamanho de sua cidade, número de filhos, e outros interesses.


Uma vez iniciada a “fórmula QSO”, as informações básicas do outro operador podem fornecer um “fio” em potencial para se continuar a conversação. Talvez você já tenha visitado a cidade ou estado dele, ou algum lugar perto. Talvez não, mas já pensou em fazê-lo e gostaria de algumas sugestões do que ver e o que fazer lá. Talvez você saiba de uma outra cidade com o mesmo nome em outro estado ou outro país.

Qualquer coisa que estabeleça algo em comum pode ser a base para uma conversa agradável que elevará o contato além de ser apenas mais um.


E se ele ou ela não corresponder? Não se preocupe. Pode haver muitas razões, que não tem nada a ver com você. Tudo o que você investiu foram alguns minutos do seu tempo e uma minúscula quantidade de eletricidade.


Na próxima vez que você estiver operando, pule a rodada na estação que você não precisa. Ao invés disso, sintonize alguém chamando CQ ou terminando um contato. Ou, ache uma freqüência clara e chame CQ você mesmo. Esteja preparado para dizer mais que “olá“ e “tchau”.


Pode ser o início de uma bonita amizade.


David Sumner, K1ZZ
© 2010 arpapr.org.br

QUESTIONARIO

Como acontece o movimento de rotação da Lua? Ela gira em torno do quê ? Como estes giros influenciam as fases de seu ciclo?

A Lua tem uma rotação em torno de seu próprio eixo, que dura 27 dias, 7 horas e 33 minutos. Seu movimento ao redor da Terra leva o mesmo período para acontecer e, por conta disso, os observadores daqui enxergam sempre a mesma face deste satélite. Quanto às fases que apresenta, trata-se de um fenômeno geométrico, que depende unicamente de sua posição em relação à Terra e do ângulo de incidência dos raios solares sobre ela. Neste aspecto, o ciclo tem uma duração de 29 dias, 12 horas e 44 minutos e não sofre nenhuma influência do movimento de rotação.

Como os cientistas sabem a temperatura das estrelas?

Por meio da observação de uma estrela é possível deduzir qual é a sua temperatura. O astrônomo Ednilson Oliveira explica melhor: "o espectro da luz que provém de sua superfície indica qual é a cor desta estrela e, dessa forma, sabemos sua temperatura". Uma estrela de cor branca, por exemplo, é considerada quente e tem temperatura da ordem de 25 mil graus Celsius. Já uma estrela vermelha é fria e sua temperatura gira em torno dos 3 mil graus Celsius.

Como se pode pesar o sol?

De acordo com Ednilson Oliveira, doutorando do Departamento de Astronomia do Instituto Astronômico e Geofísico da USP, o que se pode calcular é a massa do sol e não o seu peso. A forma tradicional se baseia na Lei da Gravitação Universal de Newton: sabendo-se qual é a distância entre a Terra e o Sol e a força de interação entre ambos, é possível fazer o cálculo da massa deste astro. “Além disso, podemos obter sua massa (equivalente a 1,989 x 1030 kg) conhecendo seu volume (por observação) ou a quantidade de energia que ele emana para a Terra por segundo”, afirma Ednilson.

Como se sabe a que distância caiu um raio?

Para se chegar a uma distância aproximada entre o ponto em que caiu um raio e o local onde você está, comece a contar os segundos no momento em que o relâmpago (luz do raio) foi visto e pare quando ouvir o trovão (som o raio). Depois divida esses segundo por 3 e você terá a distância em quilômetros.

O céu é visto do mesmo jeito, com as mesmas constelações, no mundo inteiro?

A posição das estrelas e constelações mudam de acordo com a hora e o local de observação. Segundo Ednilson Oliveira, doutorando do Departamento de Astronomia do Instituto Astronômico e Geofísico da USP, o céu fica diferente conforme a distância de um lugar a outro. Na mesma data e no mesmo horário, por exemplo, o céu de São Paulo não é o mesmo visto em Brasília. Também existem constelações no hemisfério norte que nunca veremos no hemisfério sul, como a Ursa Menor e a estrela Polaris. Já as pessoas que estão no hemisfério norte não vêem o Cruzeiro do Sul.

O que é a aurora boreal, onde e quando ela acontece?

A aurora boreal é um fenômeno luminoso que acontece no pólo norte. Ela ocorre quando partículas carregadas eletricamente, como elétrons, são emanadas do sol. Ao chegar na Terra, elas são guiadas pelo campo magnético até os pólos, originando tal fenômeno. Quanto maior a atividade solar, mais intensas são as auroras. Vale ressaltar que elas só ocorrem nos pólos (a do pólo sul se chama aurora austral) e acima da atmosfera terrestre, a cerca de 60 km de altitude.

O que é ano-luz ?

É a distância percorrida pela luz em um ano. Essa medida é muito usada para cálculos astronômicos. A velocidade da luz foi determinada pela primeira vez em 1675, pelo astrônomo Olaus Roemer (1644-1710), medindo o intervalo entre sucessivos eclipse da lua Io, de Júpiter, para diferentes pontos da órbita da Terra.

O que é o sol da meia-noite?

É um fenômeno que ocorre perto do pólos, quando o Sol não se põe durante pelo menos 24 horas. Isso acontece porque a inclinação do eixo da Terra em relação ao plano se sua órbita faz com que o Sol incida quase perpendicularmente sobre os pólos, em posições que se alternam de seis em seis meses. Nos pólos propriamente ditos, tanto o dia solar quanto a noite duram teoricamente um semestre. A passagem para o dia ou para a noite polar acontece nos equinócios - quando a duração das horas de sol é igual em toda a Terra.

O que é um buraco negro?

O buraco negro é uma estrela que perdeu o brilho e ficou extremamente densa. A gravidade dela é tão alta que suga o que está ao seu redor e não deixa a luz de outros corpos escaparem.

O que existe no centro da Terra?

O núcleo terrestre é dividido em duas partes. O exterior, constituído principalmente de ferro derretido e níquel, começa a 2.900 quilômetros abaixo da superfície. O núcleo interior começa a 5 mil quilômetros da superfície e tem, aproximadamente, 2.800 quilômetros de largura. Ele é composto de ferro e níquel em estado sólido e está sob grande pressão. A temperatura chega a 6 mil ºC.

O que poderia acontecer se a Terra parasse de girar?

O lado do planeta que ficasse voltado para o Sol se transformaria em deserto com temperaturas elevadíssimas. Os oceanos esquentariam tanto que levantariam vapores de água. O outro lado teria temperaturas tão baixas que uma crosta de gelo seria rapidamente formada. A diferença térmica entre os lados provocaria fortes ventanias. A ausência da força centrífuga, resultado da rotação terrestre, faria com que todos os objetos aumentassem de peso. Não existiria vida no planeta.

O que são estrelas cadentes?
As estrelas cadentes, na verdade, não são estrelas. São pequenas partículas minerais que viajam pelo espaço. Quando uma entra na atmosfera da Terra, o choque faz com que ela se torne incandescente. Isso dá a impressão de que a estrela está caindo. Ao avistar uma estrela cadente, as pessoas costumam fazer pedidos.

Onde foi parar a água dos mares de Marte?

A água que existia os mares de Marte foi absorvida e está no subsolo do planeta ou simplesmente evaporou. No entanto, ainda não é possível sabe o que aconteceu de fato. “Seria preciso fazer perfurações em vários locais de Marte para verificar se a água está mesmo lá e, até hoje, todas as missões com esse objetivo falharam”, explica o físico Jorge Honel, do Centro de Divulgação de Astronomia da Universidade de São Paulo, em São Carlos (SP). Os cientistas também ainda não descobriram porque a água teria evaporado, pois não se sabe como era o clima no planeta há milhões de anos. “A NASA perdeu o satélite meteorológico que enviaria informações sobre as variações climáticas. Então, não se sabe muito sobre o clima em Marte hoje e muito menos há milhões de anos”, completa Honel.

Por que dizem que os marcianos são verdes, se Marte é conhecido como o Planeta Vermelho?

De acordo com o astrônomo Ednilson Oliveira, nas décadas de 1920 e 1930, os cientistas acreditavam que havia vida em Marte, bem como vegetações e grandes regiões de plantio. "O planeta estava na moda e até a mídia começou a se referir aos marcianos como 'homens verdes'", afirma o astrônomo.

Por que existem as estações do ano?
O eixo de rotação da Terra tem uma inclinação de aproximadamente 23 graus. Por isso, cada um dos hemisférios passa metade do ano mais exposto ao Sol do que o outro, produzindo padrões de clima regulares. Para a mesma época do ano, as estações se invertem nos hemisférios. Quando é verão no sul, é inverno no norte, e assim por diante. Se o eixo da Terra não fosse inclinado, não existiriam estações - apesar de o equador continuar mais quente do que os pólos - pois o Sol iluminaria a Terra de maneira uniforme.

Por que o Sol e a Lua parecem maiores no horizonte?

Quando se observa o Sol ou a Lua na linha do horizonte é possível comparar o tamanho deles com outros pontos de referência mensuráveis, como uma estrada ou um prédio. Quando estão a pino, no alto do céu, não é possível mensurar as distâncias.

Qual a diferença entre meteoros e meteoritos?
Os meteoros são grandes pedaços de rocha que vagam pelo espaço e eventualmente penetram na atmosfera da Terra. Geralmente, consomem-se em fogo, produzido pelo aquecimento no atrito com o ar. Já os meteoritos entram na atmosfera com uma angulação favorecida e caem no solo.

Qual a diferença entre raio, relâmpago e trovão?

O raio é uma descarga elétrica produzida entre duas nuvens eletrizadas ou entre a terra e as nuvens. O relâmpago é a luz do raio e o trovão é o som dele.

Qual é a distância, em anos-luz, entre um buraco negro e a Terra?
Hoje, acredita-se que a maioria das galáxias possuem um buraco negro em seu núcleo. Assim, é provável que a nossa galáxia também tenha um. Segundo Ednilson Oliveira, doutorando do Departamento de Astronomia do Instituto Astronômico e Geofísico da USP, a distância entre o centro da galáxia onde estamos até o planeta Terra é de, aproximadamente, 30 mil anos-luz. No entanto, a teoria prevê que existam buracos negros em sistemas binários. Estes sistemas estão mais perto de nós do que o centro da nossa galáxia. Mas, de acordo com Ednilson, ainda não foi confirmada a existência de nenhum sistema que realmente contenha um buraco negro.

Qual é a velocidade de rotação da Terra? Por que não sentimos o movimento se o planeta gira tão rapidamente?

De acordo com o astrônomo Ednilson Oliveira, a velocidade de rotação da Terra sobre a linha do Equador é de 465 metros por segundo. Como estamos presos ao planeta pela gravidade, nos deslocamos no mesmo ritmo, assim como a atmosfera que nos envolve. Daí não percebermos tal movimento.

Qual era a cor do céu na época dos dinossauros?

O céu tinha a mesma cor que tem hoje. Em dias limpos era azul claro, em noites encobertas e sem lua era azul escuro ou quase negro e, nas noites limpas, era estrelado. Mas, como naquela época não existia a poluição de hoje, o céu parecia cristalino e as estrelas ficavam mais nítidas e visíveis em maior quantidade.

Qual foi a primeira palavra pronunciada na Lua?

"Ok" foi a primeira palavra dita na Lua. O astronauta Buzz Aldrin a pronunciou quando a espaçonave pousou na Lua.

Quantas pessoas poderiam viver na lua se ela fosse habitável?
Se a superfície da Lua fosse povoada na mesma proporção que os continentes da Terra nos dias de hoje, calcularíamos o número de habitantes comparando sua área total com a área de nossos continentes e sua densidade demográfica. Considerando que o planeta tem superfície 13,5% maior que a Lua, que apenas 27% dele é composto de continentes e que hoje vivem aqui cerca de 6 bilhões de pessoas, podemos calcular que, se a Lua fosse habitada na mesma medida, ela teria aproximadamente 1,64 bilhão de pessoas.

Se a Lua está na fase nova, cheia ou minguante, o mundo todo a enxerga da mesma forma?

Sim, as fases da Lua são um fenômeno simultâneo em todos os lugares; por conta disso, a Lua cheia estará nesta fase em todo o planeta.

Você assistiu ao filme Duas vidas? Descobriu por que, às vezes, a Lua fica alaranjada, fato que intrigava o garoto?
Quando a Lua, ou algum outro objeto, está muito próxima do horizonte, pode-se observar o fenômeno do avermelhamento. Isso ocorre porque próximo ao horizonte a atmosfera é mais densa e absorve diversos comprimentos de onda da luz (diversas cores), menos a vermelha. Daí a tonalidade avermelhada do objeto (de vez em quando uma tonalidade amarela ou laranja), que é percebida no pôr do Sol.

Ética na Operação de Repetidoras

Apresentamos aqui algumas dicas de como se comportar corretamente nos repetidores, garantindo assim uma integração maior e a certeza de conseguir muitos amigos.
1 - Sempre que for solicitar algum colega, chame-o pelo indicativo. Agindo dessa maneira, quem está na escuta não terá dúvidas de que é um radioamador que está querendo usar o repetidor
2 - Sempre que entrar em alguma rodada, certifique-se que sabe o prefixo e o nome de cada um dos integrantes, bem como o assunto em pauta. Não existe nada mais desagradável do que você estar falando com colegas e alguém entrar interrompendo, fazendo "ping-pong", não cumprimentando ou não ter a mínima idéia do assunto que se está discutindo.
3 - Se você não tem nada a dizer sobre o assunto que está sendo discutido, não entre na rodada. É melhor ficar só na escuta, pois entrando "apenas para dizer boa tarde", interrompe-se o QSO, e depois, por educação, passarão outra vez a palavra para você que continuará sem nada à dizer.
4 - Tenha um vocabulário adequado. Um bom vocabulário tem de estar isento do excesso de termos pobres e vulgares, como palavrões e gírias. Por outro lado, não se recomenda um vocabulário repleto de palavras difíceis e quase sempre incompreensíveis. Não use palavras que não gostaria que seus filhos o ouvissem dizendo.
5 - Seja cortez e educado. Lembre-se que embora a maioria absoluta de radioamadores sejam do sexo masculino, em suas casas sempre haverão crianças e mulheres ouvindo. Certa vez, estava acontecendo uma discução no repetidor e o nível baixou completamente. Minha esposa ouviu e me perguntou se era com isso que eu perdia horas e horas no "shack". Durma com esse barulho!
6 - Não ofenda e nem faça comentários pejorativos. Está se tornando comum "certos" radioamadores fazerem comentários maldosos no repetidor. Comentários que ofendem e constrangem não só o radioamador que quer atingir, mas também os outros que estão ouvindo. Esse tipo de comportamento deverá ser banido a qualquer custo. Portanto não se surpreendam se o repetidor for desligado no meio de um QSO desse tipo. É o mínimo que um mantenedor pode fazer para manter a ordem.
7 - Evite falar com clandestinos pelo repetidor. Se encontrar alguém sem prefixo usando o repetidor, ou chame-o para um direto ou saia da freqüência. Lembre-se, o pessoal da fiscalização da Anatel agora consegue ouvir o repetidor lá de São Paulo. Você está cansado de saber que não pode manter contato com clandestinos. Você teve que estudar as apostilas para ter seu prefixo, por que eles também não o fazem? É cada vez mais comum aparecer alguém dizendo que está estudando para fazer a prova e só entrou para cumprimentar. Seja educado e informe-o que será bem recebido. Mas enquanto não tem indicativo, o melhor a fazer é apenas ouvir e aprender com os outros.
8 - Quando ouvir alguma portadora, evite comentar na freqüência. Faça de conta que não está atrapalhando ou se realmente estiver, diga que precisa desligar. A pessoa que dá portadora adora saber quanto você a odeia, quanto mais você reclama, mais ela fica feliz. Se você simplesmente a ignora, logo ela desiste.
9 - Use um canal direto sempre que possível. Quando precisar falar com algum colega sobre um assunto muito específico, verifique se não conseguem contato pelo direto, assim o repetidor fica livre para alguém que precise usa-lo e vocês não serão interrompidos no assunto.
10 - Desistimule clandestinos a usar o repetidor. Explique dos problemas que eles podem nos trazer. Incentive-o a estudar as apostilas e a fazer o exame.
Aos clandestinos:
1 - Não operem o rádio clandestinamente, a multa por transmitir sem licença é até R$10.000,00 mais a possibilidade de ficar de 2 a 4 anos preso!!!
2 - Não inventem prefixos para operar, pois normalmente não sabem sobre as categorias e de como é feita a divisão das letras. O resultado é que inventam prefixos que não existem e todos percebem.
3 - Consultas de prefixos. Lembre-se que a grande maioria dos radioamadores têm acesso a Internet e podem checar se o indicativo é seu mesmo no site da Anatel.
4 - Entre pela porta da frente. Entre da maneira correta e faça muitos amigos. Segure a vontade de entrar operando e faça o exame para radioamador.
________________________________________


Por PS7-BL - Braz Luciano Teixeira da Silva

Legislação NOVO Regulamento do Serviço de Radioamador

AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES
CONSELHO DIRETOR
RESOLUÇÃO NO- 449, DE 17 DE NOVEMBRO DE 2006

Aprova o Regulamento do Serviço de Radioamador
O CONSELHO DIRETOR DA AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES - ANATEL, no uso das atribuições que lhe foram conferidas pelo art. 22 da Lei n.o- 9.472, de 16 de julho de 1997, e pelos artigos 17 e 35 do Regulamento da Agência, aprovado pelo Decreto n.o- 2.338, de 7 de outubro de 1997, CONSIDERANDO as contribuições recebidas em decorrência da Consulta Pública n.o- 638, de 29 de agosto de 2005, publicada no Diário Oficial de 30 de agosto de 2005;

CONSIDERANDO deliberação tomada em sua Reunião n.o-416, realizada em 1º- de novembro de 2006, resolve:

Art. 1º- Aprovar o Regulamento do Serviço de Radioamador, na forma do Anexo a esta Resolução.

Art. 2º- Substituir o Regulamento do Serviço de Radioamador, aprovado pelo Decreto n.o- 91.836, de 24 de outubro de 1985, o Decreto n.o- 1.316, de 25 de novembro de 1994, que alterou o Regulamento do Serviço de Radioamador e a Norma n.o- 31/94 - Norma de Execução do Serviço de Radioamador, aprovada pela Portaria n.o- 1.278, de 28 de dezembro de 1994.

Parágrafo único. As condições de uso de radiofreqüências para estações do Serviço de Radioamador dispostas na Norma 31/94 permanecem em vigor até que sejam substituídas por regulamento específico.

Art. 3º- Esta Resolução entra em vigor na data de sua publicação.

PLÍNIO DE AGUIAR JÚNIOR
Presidente do Conselho

ANEXO
REGULAMENTO DO SERVIÇO DE RADIOAMADOR
TÍTULO I - DAS DISPOSIÇÕES GERAIS
Capítulo I - Dos Objetivos

Art. 1º- . Este Regulamento tem por objetivo disciplinar as condições para execução do Serviço de Radioamador e a obtenção do Certificado de Operador de Estação de Radioamador. As estações do Serviço de Radioamador devem operar nas condições estabelecidas no Regulamento de Uso do Espectro de Radiofreqüências, bem como no Regulamento sobre Condições de Uso de Radiofreqüências para Estações do Serviço de Radioamador.

Art. 2º- . A execução do Serviço de Radioamador é regida pela Lei n.o- 9.472, de 16 de julho de 1997, pelo Regulamento dos Serviços de Telecomunicações, por outros regulamentos e normas aplicáveis ao serviço e por este Regulamento.

Art. 3º- . O Serviço de Radioamador é o serviço de telecomunicações de interesse restrito, destinado ao treinamento próprio, intercomunicação e investigações técnicas, levadas a efeito por amadores, devidamente autorizados, interessados na radiotécnica unicamente a título pessoal e que não visem qualquer objetivo pecuniário ou comercial.

Capítulo II - Das Definições

Art. 4º- . Para os fins a que se destina este Regulamento, aplicam-se as seguintes definições:
I - Comunicação de terceira parte: mensagem enviada pelo operador de controle (primeira parte) de uma estação de radioamador para outro operador de estação de radioamador (segunda parte) em favor de outra pessoa (terceira parte).
II - Certificado de Operador de Estação de Radioamador (COER): é o documento expedido pela Anatel à pessoa física que tenha comprovado ser possuidora de capacidade técnica para operar estação de radioamador.
III - Estação de Radioamador: é um conjunto operacional de equipamentos, aparelhos, dispositivos e demais meios necessários à execução do Serviço de Radioamador, seus acessórios e periféricos e as instalações que os abrigam e complementam, concentrados em locais específicos, ou alternativamente, um terminal portátil.
IV - Indicativo de Chamada de Estação de Radioamador: é a característica que identifica uma estação e que será usada pelo radioamador no início, durante e no término de suas emissões ou comunicados.
V - Licença para Funcionamento de Estação de Radioamador:
é o documento que autoriza a instalação e o funcionamento de estação do Serviço de Radioamador, com o uso das radiofreqüências associadas.
VI - Radioamador: pessoa habilitada a operar estação do Serviço de Radioamador.
TÍTULO II - DA AUTORIZAÇÃO
Capítulo I - Da Expedição da Autorização
Art. 5º- . A autorização para execução do Serviço de Radioamador será expedida pela Anatel:
I - ao titular do Certificado de Operador de Estação de Radioamador (COER);
II - às associações de radioamadores;
III - às universidades e escolas;
IV - às associações do Movimento Escoteiro e do Movimento Bandeirante;
V - às entidades de defesa civil.

Art. 6º- . A autorização para execução do Serviço de Radioamador será formalizada pela expedição da Licença para Funcionamento de Estação de Radioamador, que incorpora também a autorização para o uso das radiofreqüências associadas. Parágrafo único. A autorização para execução do serviço será expedida a título oneroso, por prazo indeterminado e a autorização de uso de radiofreqüências associadas será expedida pelo prazo de vinte anos, prorrogável por igual período, e também a título oneroso.

Capítulo II - Das Licenças

Art. 7º- . A Licença para Funcionamento de Estação de Radioamador é intransferível, na qual constará, necessariamente, o nome do autorizado, a sua classe, o indicativo de chamada da estação e a potência autorizada. A licença autoriza o radioamador a utilizar qualquer das radiofreqüências destinadas à sua classe, em conformidade com o Regulamento sobre Condições de Uso de Radiofreqüências para Estações do Serviço de Radioamador.

Parágrafo único. Estação de Radioamador com capacidade para comunicação via satélite somente poderá operar se constar da Licença para Funcionamento de Estação observação a respeito com o devido destaque.

Art. 8º- . O valor e as condições de pagamento pelo direito de uso das radiofreqüências estão estabelecidos no Regulamento de Cobrança de Preço Público pelo Direito de Uso de Radiofreqüências (PPDUR).

Art. 9º- . A prorrogação do uso de radiofreqüência associada, sempre onerosa, poderá ser requerida até três anos antes do vencimento do prazo original, e será feita com base nos dados cadastrais existentes no Banco de Dados Técnicos e Administrativos (BDTA) da Anatel, cuja atualização incumbe ao radioamador.

Art. 10. O requerimento para obtenção da licença poderá ser assinado:
I - Pelo interessado;
II - Por procurador, mediante apresentação do respectivo instrumento de procuração;
III - Pelo responsável legal, quando se tratar de menor; e, IV - Pelo dirigente ou seu preposto, no caso de pessoa jurídica.
§ 1º Quando se tratar de pessoa física, o requerimento deverá ser instruído com cópias autenticadas do documento de identidade e do CPF do interessado.
§ 2º Quando se tratar de pessoa jurídica, o requerimento deverá ser instruído com cópia autenticada do CNPJ e dos atos constitutivos da entidade, devidamente registrados, bem como com a indicação de radioamador classe “A” responsável pelas operações da estação.
§ 3º Alternativamente, em substituição às cópias autenticadas, poderão ser apresentadas cópias e respectivos originais para autenticação pela Anatel.

Art. 11. O radioamador estrangeiro deverá apresentar, quando da solicitação da licença para funcionamento de estação, passaporte ou carteira de estrangeiro em vigor. A licença, neste caso, será expedida com validade limitada ao prazo de permanência do radioamador no país.

Art. 12. As licenças para funcionamento de estação serão expedidas na Unidade da Federação onde se localiza o domicílio do responsável. As referentes às estações repetidoras serão expedidas na Unidade da Federação onde se localiza a sede ou domicílio da autorizada.

Art. 13. A licença não procurada pelo seu titular, ou devolvida pelo Correio por não coincidir com o endereço constante do cadastro da Anatel, será cancelada e excluída do Banco de Dados Técnicos e Administrativos da Anatel 30 (trinta) dias após sua emissão ou devolução.

Parágrafo único. A emissão da segunda via da licença para funcionamento de estação somente será feita sem ônus, caso não haja débito relacionado com a licença original e se o dano ou extravio for, comprovadamente, imputável ao Correio ou à Anatel. seus dados atualizados, bem como informar à Anatel as alterações das características técnicas ou mudança de endereço das estações.

Art. 14. O executante do Serviço de Radioamador deve manter seus dados atualizados, bem como informar à Anatel as alterações
das características técnicas ou mudança de endereço das estações.

Capítulo III - Da Permissão Internacional de Radioamador

Art. 15. A Anatel expedirá licença para operação temporária de estações de radioamadores nos Estados membros da Comissão Interamericana de Telecomunicações - CITEL, signatários da Convenção Interamericana sobre a Permissão Internacional de Radioamador, de 1995.

Art. 16. Qualquer radioamador devidamente autorizado para executar o Serviço no Brasil, poderá solicitar a Permissão Internacional de Radioamador (IARP: do inglês International Amateur Radio Permission), excetuando-se os radioamadores estrangeiros.

Art. 17. A IARP poderá ser utilizada apenas no território de outros Estados membros da CITEL, signatários do Convênio. A validade da licença será de até um ano, limitada pela data de vencimento da licença do radioamador.

Art. 18. As condições de uso da IARP estão estabelecidas no Convênio Interamericano sobre Permissão Internacional de Radioamador.

Art. 19. Na expedição da IARP incidirá o preço de serviço administrativo.

Capítulo IV - Da Extinção

Art. 20. A autorização do Serviço de Radioamador não terá sua vigência sujeita a termo final, extinguindo-se somente por cassação, caducidade, decaimento, renúncia ou anulação.

Capítulo V - Das Taxas e Preços Públicos

Art. 21. Sobre estação de radioamador incidirão taxas devidas ao Fundo de Fiscalização das Telecomunicações - Fistel, o Preço Público pelo Direito de Exploração do Serviço - PPDESS e o Preço Público pelo Direito de Uso de Radiofreqüências - PPDUR.

Art. 22. A Taxa de Fiscalização de Instalação - TFI incidirá no ato da expedição da Licença para Funcionamento de Estação de Radioamador.

§1 o- A mudança de classe do radioamador implicará a emissão de nova Licença para Funcionamento de Estação de Radioamador, com incidência de TFI e pagamento do PPDUR.
§ 2º- A licença expedida por alterações de outra natureza que não a referida no §1º- , implicará o pagamento do preço do serviço administrativo.

Art.23. A Licença para Funcionamento de Estação de Radioamador somente será entregue mediante a verificação de quitação da TFI, do PPDUR e do PPDESS.

Art. 24. A Taxa de Fiscalização de Funcionamento - TFF deve ser paga, anualmente, de acordo com o Regulamento para Arrecadação de Receitas do Fundo de Fiscalização das Telecomunicações - Fistel.
TÍTULO III - DAS ESTAÇÕES
Capítulo I - Da Classificação das Estações

Art. 25. As estações do Serviço de Radioamador podem ser:

I - Estação Fixa: Aquela cujos equipamentos estejam instalados em local fixo específico, compreendendo os seguintes tipos:
a) Tipo 1: Localizada na Unidade da Federação onde for domiciliado ou tiver sede o autorizado;
b) Tipo 2: Localizada em Unidade da Federação diferente do domicílio ou sede do autorizado;
c) Tipo 3: Destinada exclusivamente à emissão de sinais pilotos para estudo de propagação, aferição de equipamentos ou radiodeterminação.

II - Estação Repetidora: Aquela cujos equipamentos sejam destinados a receber sinais de rádio de uma estação de radioamador e retransmitir automaticamente para outras estações de radioamador. As Estações Repetidoras podem ser:
a) Tipo 4: Repetidora sem conexão à rede de serviço de telecomunicações;
b) Tipo 5: Repetidora com conexão à rede do Serviço Telefônico Fixo Comutado e/ou do Serviço de Comunicação Multimídia.

III - Móvel - Aquela cujos equipamentos são destinados a serem usados quando em movimento ou durante paradas em pontos não especificados, sendo classificada como Tipo 6 - Estação Móvel.

IV - Estação Terrena - Aquela com capacidade de transmissão via satélite, sendo classificada como tipo 7.

Parágrafo único. Em repetidora do tipo 5 com conexões à rede de STFC e SCM é vedado o uso da mesma para a fruição do tráfego entre redes desses dois serviços.

Art. 26. A cada tipo de estação corresponderá uma Licença para Funcionamento de Estação de Radioamador.

Art. 27. Ao radioamador é permitido licenciar mais de uma estação fixa por Unidade da Federação, podendo inclusive ser do Tipo 3.

Capítulo II - Das Restrições na Localização de Estações

Art. 28. Ao autorizado é garantido o direito de instalar seu sistema irradiante, observados os preceitos específicos sobre a matéria relativos às zonas de proteção de aeródromos e de heliportos, bem como de auxílio à navegação aérea ou costeira, consideradas as normas de engenharia e posturas federais, estaduais e municipais aplicáveis às construções, escavações e logradouros públicos.

Art. 29. Na instalação de estação transmissora do Serviço de Radioamador, deverá ser observado o atendimento à regulamentação emitida pela Anatel referente a exposição humana a campos elétricos, magnéticos e eletromagnéticos na faixa de radiofreqüência.
TÍTULO IV - CERTIFICADO DE OPERADOR DE ESTAÇÃO DE RADIOAMADOR -COER
Capítulo I - Das Regras Gerais

Art. 30. O Certificado de Operador de Estação de Radioamador é expedido a título oneroso, é intransferível, tem prazo de validade indeterminado e habilita seu titular a obter autorização para executar o Serviço de Radioamador e a operar estação do mencionado serviço devidamente licenciada, podendo ser obtido por qualquer pessoa física residente no Brasil.

Art. 31. O prazo para o requerimento do COER será de doze meses, a contar da data da publicação dos resultados dos testes de avaliação, uma vez que é de um ano a validade das provas realizadas.

Art. 32. O radioamador estrangeiro pode ser dispensado da obtenção do COER, devendo operar sua estação nas condições equivalentes à de sua habilitação original e em conformidade com a regulamentação brasileira. Ao término do prazo de validade de sua habilitação original e permanecendo no Brasil, o radioamador deverá atualizar sua habilitação original ou obter o Certificado de Operador de Estação de Radioamador no Brasil.

Capítulo II - Dos Exames de Qualificação

Art. 33. O COER será concedido aos aprovados em testes de avaliação, segundo as seguintes classes:
I - Classe “C”, aos aprovados nos testes de Técnica e Ética Operacional e Legislação de Telecomunicações;
II - Classe “B”, aos portadores de COER classe “C”, menores de 18 anos, decorridos dois anos da data de expedição do COER classe “C”, e aos maiores de 18 anos, desde que aprovados, em ambos os casos, nos testes de Técnica e Ética Operacional, Legislação de Telecomunicações e Conhecimentos Básicos de Eletrônica e Eletricidade e Transmissão e Recepção Auditiva de Sinais em Código Morse;
III - Classe “A”, aos radioamadores Classe “B”, decorrido um ano da data de expedição do COER classe “B”, e aprovados nos testes de Técnica e Ética Operacional, Legislação de Telecomunicações, Conhecimentos Técnicos de Eletrônica e Eletricidade e Transmissão e Recepção Auditiva de Sinais em Código Morse.
§ 2º- As inscrições para a mudança de classe somente podem ser efetuadas após encerrados os prazos discriminados nos incisos II e III.
§ 3º Estão isentos, em função da classe pretendida, de testes de Conhecimentos (Básicos ou Técnicos) de Eletrônica e Eletricidade ou de Transmissão e Recepção Auditiva de Sinais em Código Morse o candidato que comprove possuir tais capacidades técnica e operacionalmente, conforme Tabela I do Anexo III.
TÍTULO V - ASPECTOS OPERACIONAIS E TÉCNICOS
Capítulo I - Das Regras Gerais

Art. 34. As estações de radioamador devem operar em conformidade com a respectiva licença, limitada a sua operação às faixas de freqüências, tipos de emissão e potência atribuídas à classe para a qual esteja licenciada.

Art. 35. Ao radioamador é vedado desvirtuar a natureza do serviço, assim como usar de palavras obscenas e ofensivas, não condizentes com a ética que deve nortear todos os seus comunicados.

Art. 36. O radioamador está obrigado a aferir as condições técnicas dos equipamentos que constituem suas estações, garantindolhes o funcionamento dentro das especificações e normas. No caso de uso de equipamentos experimentais, sempre que solicitado pela autoridade competente, o radioamador deverá prestar as informações relativas às características técnicas da estação e de seus projetos.

Art. 37. A estação de radioamador só poderá ser utilizada por terceiros ou operada por outro radioamador na presença do titular da estação ou responsável e respeitadas a ética do serviço e as disposições da legislação e normas vigentes.

Art. 38. O radioamador que, eventualmente, operar estação da qual não seja o titular, poderá transmitir o indicativo de chamada da sua estação e o da estação que estiver operando para se identificar, limitada a sua operação às faixas de freqüências, tipos de emissão e potência atribuídas à classe de menor grau, seja do radioamador visitante ou da estação visitada.

Parágrafo único. O radioamador estrangeiro poderá operar eventualmente estação de radioamador, na presença do titular ou responsável pela estação, devendo neste caso, transmitir, além do indicativo de chamada constante de seu documento de habilitação original, o da estação que estiver operando.

Capítulo II - Da Terceira Parte

Art. 39. As estações de radioamador não poderão ser utilizadas para transmitir comunicados internacionais procedentes de terceira parte ou destinado a terceiros, exceto em situações de emergência ou desastres.

Parágrafo único. O disposto no caput não é aplicável quando existir acordo específico, com reciprocidade de tratamento, que permita a troca de mensagens de terceiras partes entre radioamadores do Brasil e do país signatário.

Capítulo III - Das Condições Operacionais

Art. 40. A transmissão simultânea em mais de uma faixa de freqüências é permitida nos seguintes casos:
I - Na divulgação de boletins informativos de associações de radioamadores;
II - Na transmissão realizada por qualquer radioamador quando configurada situação de emergência ou calamidade pública;
III - Nas experimentações e comunicações normais que envolvam estações repetidoras ou que exijam, necessariamente, o emprego de outra faixa de freqüências para complementação das transmissões;
IV - Nas competições internacionais.

Art. 41. Não poderá o radioamador operar estação sem identificá-la.

Parágrafo único. Durante as transmissões, o indicativo de chamada deverá ser transmitido, pelo menos, a cada hora e, preferencialmente, nos 10 (dez) minutos anteriores ou posteriores à hora cheia.

Art. 42. A todo tempo e em todas as faixas de freqüências o operador da estação deve dar prioridade a estações efetuando comunicações de emergência.

Art. 43. Poderão ser utilizados, nos comunicados entre radioamadores, o Código Q (Séries QRA a QUZ) e o Código Fonético Internacional.

Capítulo IV - Das Estações Repetidoras

Art. 44. A Licença para Funcionamento de Estação Repetidora do Serviço de Radioamador poderá ser requerida por:
I - por titular do Certificado de Operador de Estação de Radioamador (COER) Classe “A”;
II - associações de radioamadores;
III - universidades e escolas;
IV - associações do Movimento Escoteiro e do Movimento Bandeirante;
V - entidades de defesa civil.

Art. 45. A estação repetidora deve possuir dispositivos que irradiem, automaticamente, seu indicativo de chamada em intervalos não superiores a dez minutos, bem como dispositivo que possibilite ser desligada remotamente.

Art. 46. A estação repetidora poderá manter sua emissão (transmissão), no máximo, por cinco segundos, após o desaparecimento do sinal recebido (sinal de entrada).

Art. 47. O uso continuado da estação repetidora não poderá exceder a três minutos, devendo a estação possuir dispositivo que a desligue automaticamente após esse período. A temporização retornará a zero a cada pausa no sinal recebido.

Art. 48. A estação repetidora poderá transmitir unilateralmente, sem restrições de tempo, nos seguintes casos:
I - Comunicação de emergência;
II - Transmissões de sinais ou comunicados para a medição de emissões, observação temporária de fenômenos de transmissão e outros fins experimentais autorizados pela Anatel;
III - Divulgação de boletins informativos de interesse de radioamadores;
IV - Difusão de aulas ou palestras destinadas ao treinamento e ao aperfeiçoamento técnico dos radioamadores.

Art. 49. A conexão de estação repetidora à rede de Serviço Telefônico Fixo Comutado - STFC será permitida desde que haja anuência da prestadora local de STFC.

Art. 50. Somente radioamadores classes “A” ou “B” poderão operar estação repetidora com conexão à rede do STFC.

Art. 51. A estação repetidora somente poderá ser conectada à rede do STFC quando acionada por estação de radioamador, não sendo permitido o acionamento da mesma através da rede telefônica pública.

Art. 52. A estação repetidora conectada à rede de serviço de telecomunicações deve possibilitar que sejam ouvidas ambas as partes em contato, em sua freqüência de transmissão.

Art. 53. O radioamador que utilizar da repetidora conectada à rede de serviço de telecomunicações deve se identificar no início e no fim do comunicado.

Art. 54. As estações repetidoras devem ser abertas a todos os radioamadores, observadas as classes estabelecidas, admitindo-se apenas a codificação para acesso à rede do STFC.
TÍTULO VI - DOS INDICATIVOS DE CHAMADA
Capítulo I - Da Classificação

Art. 55. Compete à Anatel atribuir os indicativos de chamada para o Serviço de Radioamador.

Art. 56. É facultado ao radioamador escolher, desde que vago, o indicativo de chamada, que identifica sua estação de forma unívoca.
Parágrafo único. A vacância de um indicativo de chamada ocorrerá por extinção da autorização, decorrido o prazo de um ano da exclusão da licença do Banco de Dados Técnico e Administrativo da Anatel.

Art. 57. Os indicativos de chamada são classificados em:
I - Efetivos: São os utilizados quotidianamente para identificação em quaisquer transmissões;
II - Especiais: Os que forem atribuídos a estações de radioamadores especificamente para uso em competições nacionais ou internacionais, expedições e eventos comemorativos, de conformidade com o estabelecido neste Regulamento, limitado o uso e a validade ao período de duração do evento.

Art. 58. O indicativo especial será concedido mediante requerimento à Anatel e constará da autorização válida para o período de duração do evento ou eventos acumulados até o limite de 1 (um) mês.

§1 o- . Na expedição da autorização para uso do indicativo especial, incide apenas o preço de serviço administrativo.
§2 o- . Será concedido 1 (um) único indicativo especial por vez a cada estação de radioamador.

Art. 59. Quando houver apenas estação móvel licenciada, será atribuído indicativo de chamada da Unidade da Federação onde for domiciliado o radioamador ou sediada a pessoa jurídica requerente.
Capítulo II - Da Formação dos Indicativos de Chamada Efetivos

Art. 60. Os indicativos de chamada de estação de radioamador serão formados de acordo com as tabelas dos Anexos I e II deste Regulamento.

Parágrafo único. Não poderão figurar como sufixos dos indicativos de chamada os seguintes grupamentos de letras: DDD, SNM, SOS, SVH, TTT, XXX, PAN, RRR e a série de QAA a QZZ

Art. 61. Para as classes “A” e “B”, o indicativo de chamada será constituído de prefixo correspondente à Unidade da Federação onde se localiza a estação, seguido do número identificador da região e de agrupamento de duas ou três letras.

Art. 62. Para a classe “C” os indicativos de chamada terão, respectivamente, o prefixo PU seguidos do número identificador da região e de agrupamento de três letras correspondentes à Unidade da Federação onde se localiza a estação do autorizado.

Art. 63. Os indicativos de chamada das estações de radioamadores estrangeiros serão constituídos do prefixo correspondente à Unidade da Federação onde se localiza a estação, seguido do agrupamento de três letras do alfabeto, iniciado pela letra “Z”.

Art. 64. O indicativo de chamada das estações localizadas em ilhas e arquipélagos oceânicos, penedos e atóis terá a seguinte formação:
I - Para estações de radioamadores classe “A” ou “B”, os indicativos serão formados pelo prefixo “PY”, seguido do número “0” e do agrupamento de duas ou três letras, sendo a primeira letra aquela identificadora da ilha, arquipélago oceânico, penedo ou atol em questão;
II - Para estações de radioamadores classe “C” os indicativos serão formados pelo prefixo “PU”, seguido do número “0” e do agrupamento de três letras, sendo a primeira letra aquela identificadora da ilha, arquipélago oceânico, penedo ou atol em questão;
III - O sufixo do indicativo de chamada terá como primeira letra aquela identificadora da ilha, arquipélago oceânico, penedo ou atol, conforme a seguir indicado:
a) “F” para estações localizadas no Arquipélago de Fernando de Noronha;
b) “S” para estações localizadas nos Penedos de São Pedro e São Paulo;
c) “T” para estações localizadas na Ilha de Trindade;
d) “R” para estações localizadas no Atol das Rocas;
e) “M” para estações localizadas nas Ilhas de Martim Vaz.

Art. 65. Para as estações localizadas na Região Antártica:
I - Os indicativos de chamada efetivos para as classes “A” e “B”, terão o prefixo “PY”, seguido do número “0”, mais um agrupamento de duas ou três letras sendo a primeira obrigatoriamente a letra “A”;
II - Os indicativos de chamada efetivos para a classe “C” terão o prefixo “PU”, seguido do número “0”, mais um agrupamento de duas ou três letras sendo a primeira obrigatoriamente a letra “A”.

Art. 66. Para as estações de radioamadores estrangeiros classes “A” e “B” localizadas nas ilhas ou arquipélagos oceânicos, penedos ou atóis ou na Região Antártica, os indicativos de chamada efetivos serão formados pelo prefixo “PY”, seguido do dígito “0”, mais um agrupamento de três letras, sendo a primeira a letra “Z” e a segunda aquela identificadora da ilha, arquipélago, penedo ou atol em questão ou da Região Antártica.

Art. 67. Para as estações de radioamadores estrangeiros classe “C” localizadas nas ilhas, arquipélagos oceânicos, penedos ou atóis ou na Região Antártica, os indicativos de chamada efetivos serão formados pelo prefixo “PU”, seguido do dígito “0”, mais um agrupamento de três letras, sendo a primeira a letra “Z” e a segunda aquela identificadora da ilha, arquipélago oceânico, penedo ou atol em questão ou da Região Antártica.
Capítulo III - Da Formação dos Indicativos de Chamada Especiais

Art. 68. Os indicativos especiais terão a seguinte formação:
I - Prefixos da série ZV-ZZ seguidos do dígito identificador da Unidade da Federação (1 a 9), ilha, arquipélago oceânico, penedo, atol ou Região Antártica (0), mais um agrupamento de até três letras, podendo ser solicitados por radioamadores das classes “A”, “B” e “C”;
II - Prefixos da série PP-PX, seguidos do dígito identificador da Unidade da Federação (1 a 9), ilha, arquipélago oceânico, penedo, atol ou Região Antártica (0), mais um agrupamento de até três letras, podendo ser solicitados apenas por radioamadores da classe “A” que comprovem documentalmente a participação em, pelo menos, dois concursos internacionais;
III - Exceto nos casos previstos no inciso VI deste artigo, os sufixos dos indicativos especiais outorgados às estações de radioamadores da classe “C” terão três letras, sendo a primeira obrigatoriamente a letra “W”;
IV - O sufixos dos indicativos especiais das estações de radioamadores das classes “A” e “B” operando nas ilhas, arquipélago oceânico, penedo ou atol terão como primeira ou única letra aquela identificadora da Ilha em questão;
V - Os sufixos dos indicativos especiais das estações de radioamadores das classes “A” e “B” operando na Região Antártica terão como primeira ou única letra, obrigatoriamente a letra “A”;
VI - Os sufixos dos indicativos especiais das estações de radioamadores da classe “C” operando nas ilhas, arquipélago oceânico, penedo, atol ou na Região Antártica terão três letras, sendo a primeira a identificadora da Ilha em questão ou da Região Antártica e a segunda, a letra “W”.

Art. 69. Os indicativos especiais para operações e expedições em Faróis e Ilhas, que não as Oceânicas referidas neste Regulamento, terão obrigatoriamente o dígito indicador da Unidade da Federação à qual pertençam geograficamente, sendo proibida a utilização do dígito 0.

Art. 70. Os indicativos especiais com apenas uma letra no sufixo serão atribuídos para uso exclusivo em concursos internacionais e expedições.

Art. 71. Na atribuição dos indicativos de chamada especiais não se aplica o disposto no art. 56, podendo o mesmo ser atribuído a outra estação de radioamador logo após o termo final constante da Licença de estação de radioamador.

Art. 72. Em ocasiões especiais e mediante justificativa do interessado, a Anatel poderá dispensar o atendimento às regras de formação de indicativo especial dispostas neste capítulo.
TÍTULO VII - DAS SANÇÕES
Art. 73. A infração a este Regulamento, bem como a inobservância dos deveres decorrentes deste Regulamento, sujeita os infratores às sanções aplicáveis pela Anatel, conforme definidas no Livro III, Título VI “Das Sanções” da Lei no- 9.472, de 16 de julho de 1997, bem como aquelas decorrentes de regulamentação expedida pela Anatel.
TÍTULO VIII - DAS DISPOSIÇÕES TRANSITÓRIAS E FINAIS
Art. 74. Fica estabelecido prazo de 24 meses contado da data de publicação deste regulamento, para que os atuais radioamadores Classe “D” solicitem a migração de seu COER para a Classe “C” citada no art. 33, inciso I, deste Regulamento.

§1 o- . A expedição da nova licença para a Classe “C” implicará o pagamento do preço do serviço administrativo.
§2 o- . Durante o período de transição, a Anatel não distribuirá indicativos especiais com o prefixo “ZZ”.

PARA SER FELIZ ...


PARA SER FELIZ ...

Siga tranqüilamente entre a pressa e a inquietude, lembrando-se que há sempre paz no silêncio.

Tanto quanto possível, sem se humilhar, mantenha boas relações com todas as pessoas.

Fale a sua verdade mansa e claramente e ouça a dos outros, mesmo a dos insensatos e ignorantes, pois eles também têm sua própria história.
Evite as pessoas escandalosas e agressivas. Elas afligem o nosso espírito.

Se você se comparar com os outros, tornar-se-á presunçoso e magoado, pois haverá sempre alguém superior e alguém inferior a você.

Você é filho do Universo, irmão das estrelas e árvores. Você merece estar aqui, e mesmo sem você perceber, a Terra e o Universo vão cumprir o seu destino.

Desfrute das suas realizações, bem como dos seus planos. Mantenha-se interessado em sua carreira, ainda que humilde, pois ela é um ganho real na fortuna cambiante do tempo.

Tenha cautela nos negócios, pois o mundo está cheio de astúcias, mas não se torne um cético porque a virtude sempre existirá.

Muita gente luta por altos ideais e em toda a parte a vida está cheia de heroísmo. Seja você mesmo, principalmente. Não simule afeição. Não seja descrente do amor, porque mesmo diante de tanta aridez e tanto desencanto ele é tão perene quanto a selva.

Aceite com carinho o conselho dos mais velhos e seja compreensivo com os arroubos inovadores da juventude.

Alimente a força do espírito que o protegerá no infortúnio inesperado, mas não se desespere com perigos imaginários. Muitos temores nascem do cansaço e da solidão, e a despeito de uma disciplina rigorosa. Seja gentil para consigo mesmo.

Portanto, esteja em paz com Deus como quer que você o conceba e quaisquer que sejam seus trabalhos e as aspirações.

Na fatigante confusão da vida, mantenha-se em paz com sua própria alma, apesar de todas as falsidades, fadigas e desencantos. O mundo ainda é bonito.

Seja prudente e faça tudo para ser feliz !


24 de mai de 2010

Fique atento: Sequestro virtual

Fique atento: Sequestro virtual

IMPORTANTE : Não desligue seu celular, bandidos mudaram a tática!
Deixe o celular LIGADO. Preste bem atenção! Tenha cuidado!
Aquele golpe que estavam dando na praça, dizendo que havia seqüestrado um parente seu e exigindo resgate?
Pois é, infelizmente ele foi remodelado, adaptado, já que a imprensa nacional andou divulgando o método que era utilizado.
Agora, os criminosos ligam para você dizendo que seu celular foi clonado:
- Alô, Fulano? Nós somos da (VIVO/CLARO/OI/TIM) e estamos informando que seu celular foi clonado.
Você deve desligá-lo por 1 hora apenas, para que possamos efetuar averiguações na linha do seu celular.
Você, acreditando na ótima prestação de serviço, desliga o celular por uma hora, afinal o pedido é somente para desligar o celular, 'que mal teria'?
Aí é que vem o perigo... Os bandidos durante esta hora ligam para sua casa e praticam o golpe do seqüestro, previamente preparado.
Quem atende ao telefone na sua casa, liga rapidamente para o seu celular e houve:
'Este celular está desligado ou fora da área de serviço'.
Daí em diante é só pavor total, na família, nos amigos, no trabalho...
Portanto, muito cuidado. Se ocorrer esse fato, MANTENHA SEU CELULAR LIGADO.
NÃO O DESLIGUE EM HIPÓTESE ALGUMA.
Para a área técnica de a operadora checar alguma coisa na sua linha, não é necessário desligar o aparelho, portanto não há justificativa para desligá-lo.
Ao contrário, entre imediatamente em contato com as pessoas mais próximas a você (familiares, amigos, colegas de trabalho) e os alerte do fato.
Após isso, entre em contato com a Polícia (ligue 190 e/ou vá à Delegacia de Polícia mais próxima).
Esse aviso é sério.
Estão ocorrendo muitos fatos assim.

ESTOU COLOCANDO À VENDA TODOS OS MEUS EQUIPAMENTOS PARA RADIOAMADOR OS INTERESSADOS FAVOR ENTRAR EM CONTATO

ESTOU COLOCANDO À VENDA TODOS OS MEUS EQUIPAMENTOS PARA RADIOAMADOR
OS INTERESSADOS FAVOR ENTRAR EM CONTATO

RELAÇÃO DOS EQUIPAMENTOS



QUANT DISCRIMINAÇÃO UNITÁRIO TOTAL

01 Acoplador de Antenas MFJ mod. 969 entrada para 2 antenas potencia de 300wats 700,00
01 Antena 2x5/8 Vertical para 6 Metros Alumínio 120,00
01 Antena ARS G-7 Alumínio VHF/UHF 3x5/8 onda (modelo Brasília III) 180,00
01 Antena Colinear UHF 4 elementos 300,00
01 Antena Dipolo Alumínio DIEX 10x40mts HF 160,00
01 Antena Dipolo Alumínio DIEX 10x80mts HF 170,00
01 Antena Dipolo Alumínio DIEX 15x17x20mts HF 150,00
01 Antena direcional UHF 11 elementos 150,00
01 Antena MÓVEL só 40mts MOD RH-40 completa com cabo suporte de mala e conector) 150,00
01 Antena MÓVEL VHF1/4 de onda completa com cabo, conector e suporte de calha. 60,00
01 Antena MÓVEL VHF1/4 de onda completa com cabo, conector e suporte de ima. 60,00
01 Antena MÓVEL VHF 5x8 de onda com cabo, conector e suporte de calha. 90,00
01 Antena PX 10x11mts plano terra 5 Elementos 100,00
01 Antena PX 2x5/8 de onda ELECTRIL 120,00
02 Antena Vitória 6 Electril Alumínio VHF 120,00
01 Balum ELECTRIL para antena HF 40,00
11 Cabo coaxial 50 OMS com conector medindo de 20 a 30 mts (cabo fino) 20,00 220,00
02 Cabo coaxial 50 OMS com conector medindo de 20 a 30 mts (cabo grosso) 40,00 80,00
02 Canos tubo galvanizando 6mts 40,00 80,00
01 Carga Fantasma ZAMIN 100Wats 70,00
02 Chave de antena ZAMIN (3 antenas) 70,00 140,00
01 Filtro Anti-tvi ZAMIN 50,00
01 Fonte chaveada 20A MONTEL 120,00
01 Fonte de Transformador INTRACO 30A Estabilizada 400,00
01 Inteface para ECHOLINK e transmissões digitais 60,00
01 Linear ALAN (botina) 400Wats de 0 a 30 MHz (transistorizada) 400,00
01 Manipulador CW eletrônico com 2 palhetas 170,00
01 Manipulador CW pica-pau com caixa osciladora(chinês) 120,00
01 Manipulador CW Vibro rabo de peixe 120,00
01 Medidor de estacionária e potência CELLWAVE para HF, VFH e UHV até 525MHz 200wats 350,00
01 Medidor de estacionário e potência ALAN para PX 100wats 100,00
01 Microfone KBS 3000 completo com rabicho para YAESU 857 e 897D 160,00
06 Rabichos de cabo coaxial cada um com 2 conectores 15,00 90,00
01 Rádio 10 e 11mts ALAN 8001 com frequencimentro BEEP e ECCO (acompanha caixa, manual, suporte e PTT) 500,00
01 Radio ALINCO DR140 VHF (acompanha caixa, suporte, manual e PTT) 380,00
01 Rádio HT GP78 UHF (acompanha caixa, carregador de trono e antena) 280,00
01 Rádio HT WOUXUN dual band com emissora de FM 5wats (acompanha caixa, carregador trono, carregador veicular, antena, mic labial e mic externo PTT) 350,00
01 Rádio ICOM IC 718 HF 1.400,00
01 Rádio KENWOOD dualBand VHF/UHF mod. 731 450,00
01 Rádio MAXON VHF 16 canais 180,00
02 Rádio MOTOROLA para repetidora UHF (RX 435.000 e TX 439.000) 300,00 600,00
01 Rádio YAESU FT1802 VHF (acompanha caixa, manual, suporte e microfone) 350,00
01 Rádio YAESY 897D HF,VHF,UHF,6mts,Emissora de AM e FM (LSB,USB,AM,FM,WFM,CW,PSK(acompanha caixa, manual, microfone, tomada para transmissões digitais) 2.200,00
02 Rádios CONTROL para Echolink (freq. 146.000) 150,00 300,00
01 Suporte de Antena para MALA 20,00
01 Torre retangular cantoneira galvanizada alto sustentável 8,5mts (3 estágios) 500,00
01 Vareta de antena móvel VHF 1/4 de onda 20,00

TOTAL GERAL 12.930,00
DESCONTOS -4.930,00
TOTAL A PAGAR 8.000,00

OBS:
1- Todos os itens acima estão funcionando perfeitamente.
2- Frete por conta do comprador.
3- Não vendo nenhum item separadamente, só vendo o lote completo (por favor não insista)
4- Pagamento avista em dinheiro (espécie), não aceito cheque nem cartão de crédito.
5- Se você não poder comprar o lote sozinho, junte-se 01, 02, 03, 04 ou mais radioamadores para comprar o lote.
6- Não aceito proposta de oferta.
7- Não aceito proposta de troca.
8- Só me procurar quem realmente estiver interessado na compra.
9- Não posso reservar o lote para ninguém, será comprador quem primeiro fizer o depósito no valor de R$ 8.000,00 em minha conta corrente no BANCO ITAU AG. 5634 C/C 03.566-0 José Fernando Carvalho Santos
Tel: (79) 3241-7011 / 8833-5250 Fernando
Aracaju-SE 24 de Abril de 2010

VERSÍCULO:


Domingo, 23 de maio de 2010

VERSÍCULO:
“Por que você repara no cisco que está no olho do seu irmão, e
não se dá conta da viga que está em seu próprio olho? Como você
pode dizer ao seu irmão: ‘Deixe-me tirar o cisco do seu olho’,
quando há uma viga no seu? Hipócrita, tire primeiro a viga do seu
olho, e então você verá claramente para tirar o cisco do olho do
seu irmão.”
-- Mateus 7:3-5

PENSAMENTO:
Jesus gostava de hipérbole, aquele exagero usado para dar
ênfase. Aqui o ponto é quase cômico. A figura do objeto no olho
deixa mais claro seu ponto em versículos 1-2. Para uma pessoa
enxergar um cisco no olho do outro ela deve estar extremamente
próxima e procurando alguma falha. Para que ela estaria chegando
tão perto e procurando erros? O que Jesus está condenando é o
espírito crítico, a atitude que só consegue enxergar falhas nos
outros ou que, vendo erros, logo julga a pessoa com severidade. É
uma verdade geral que a pessoa que habitualmente julga os outros
com todo rigor ainda não enxergou quão grande são suas próprias
falhas. Embora haja pessoas que excedem nisso, a maioria de nós
ainda “costumamos ver nossa própria injustiça com lente de redução,
enquanto a do outro com lente de aumento” como notou Fritz
Rienecker. A solução é olhar os outros com a misericórdia que
queremos que Deus use para conosco. Duas coisas que não devemos
julgar são os motivos dos outros (1 Cor 4:5), e questões de costume
e opinião pessoal (Rom 14:1-8). Quando houver erro vamos agir com
mansidão (Gl 6:1) e julgar com misericórdia (Col 3:13). E vamos
começar olhando primeiro para nós. Quando reparamos o quanto há
para mudar em nós mesmos, vamos estar bem mais aptos para ajudar
outros.

ORAÇÃO:
Gracioso Pai, como eu preciso olhar mais de perto para meus
próprios erros. É tão fácil julgar os outros e esquecer dos meus
pecados. Na medida que eu vejo as falhas dos outros, que eu possa
enxergar o que eu espero que o Senhor veja quando olha para mim –
um filho amado. Conceda a todos nós um espírito quebrantado e
arrependido. Só o Senhor pode fazer isso. Em nome de Jesus oramos.
Amém.

CHAMADO GERAL CHAMADO GERAL CHAMADO GERAL

CQ CQ CQ DE PS7BL PS7BL PS7BL NATAL RN NATAL RN NATAL RN ALGUEM CONTESTA CAMBIO

Ética em operação de repetidoras

Apresentamos aqui algumas dicas de como se comportar corretamente nos repetidores, garantindo assim uma integração maior e a certeza de conseguir muitos amigos.
1 - Sempre que for solicitar algum colega, chame-o pelo indicativo. Agindo dessa maneira, quem está na escuta não terá dúvidas de que é um radioamador que está querendo usar o repetidor
2 - Sempre que entrar em alguma rodada, certifique-se que sabe o prefixo e o nome de cada um dos integrantes, bem como o assunto em pauta. Não existe coisa mais desagradável do que você estar falando com os amigos e alguém entrar interrompendo, fazendo "ping-pong" e não cumprimentando ninguém.
3 - Se você não tem nada relacionado ao assunto que está em pauta para dizer, não entre. É melhor ficar só na escuta, pois entrando "apenas para dizer boa tarde", interrompe-se o QSO, e depois, por educação, passarão outra vez a palavra para você que continuará sem nada para dizer.
5 - Tenha um vocabulário adequado. Um bom vocabulário tem de estar isento do excesso de termos pobres e vulgares, como palavrões e gírias. Por outro lado, não se recomenda um vocabulário repleto de palavras difíceis e quase sempre incompreensíveis.
6 - Seja cortez e educado. Lembre-se que embora a maioria absoluta de radioamadores sejam do sexo masculino, em suas casas sempre haverão crianças e mulheres ouvindo. Certa vez, estava acontecendo uma discussão no repetidor e o nível baixou completamente. Minha esposa ouviu e me perguntou se era com isso que eu perdia horas e horas no "shack". Durma com esse barulho!
7 - Não ofenda e nem faça comentários pejorativos. Está se tornando comum "certos" radioamadores fazerem comentários maldosos no repetidor. Comentários que ofendem e constrangem não só o radioamador que querem atingir, mas também os outros que estão ouvindo. Esse tipo de comportamento deverá ser banido a qualquer custo. Portanto não se surpreendam se o repetidor for desligado no meio de um QSO desse tipo.
8 - Evite falar com clandestinos pelo repetidor. Se encontrar alguém sem prefixo usando o repetidor, ou chame-o para um direto ou saia da freqüência. Lembre-se, o pessoal da fiscalização da Anatel agora consegue ouvir o repetidor lá de São Paulo. Você está cansado de saber que não pode manter contato com clandestinos. Você teve que estudar as apostilas para ter seu prefixo, por que eles também não o fazem?
9 - Quando ouvir alguma portadora, evite comentar na freqüência. Faça de conta que não está atrapalhando ou se realmente estiver, diga que precisa desligar. A pessoa que dá portadora adora saber quanto você a odeia, quanto mais você reclama, mais ela fica feliz. Se você simplesmente a ignora, logo ela desiste.
10 - Use um canal direto sempre que possível. Quando precisar falar com algum colega sobre um assunto muito específico, verifique se não conseguem contato pelo direto, assim o repetidor fica livre para alguém que precise usa-lo e vocês não serão interrompidos no assunto.
11 - Desestimule clandestinos a usar o repetidor. Explique dos problemas que eles podem nos trazer. Incentive-o a estudar as apostilas e a fazer o exame.
Aos clandestinos:
1 - Não operem o rádio clandestinamente, a multa por transmitir sem licença é até R$10.000,00 mais a possibilidade de ficar de 2 a 4 anos preso!!!
2 - Não inventem prefixos para operar, pois normalmente não sabem sobre as categorias e de como é feita a divisão das letras. O resultado é que inventam prefixos que não existem.
3 - Consultas de prefixos. Lembre-se que quase todo radioamador tem acesso a internet e pode checar se o indicativo é seu mesmo no site Anatel - Prefixos
4 - Entre pela porta da frente. Entre da maneira correta e faça muitos amigos. Segure a vontade de entrar operando e faça o exame para radioamador.
Retirado do site do CRAM - Clube de Radioamadores de Americana

17 de mai de 2010

Somente para relembrar

Faixa de Radiofreqüências (MHz) Aplicações Observação

144,000 a 144,050 - CW, reflexão lunar (Primario),
contatos terrestres (em CW) (Secundario)
144,050 a 144,100 - CW (frequencia de chamada 144.090
MHz)
144,100 a 144,200 - Fonia SSB, CW (Primario) e
RTTY/PSK-31 (secundario)
144,200 a 144,275 - Fonia SSB e CW (144.200 freqüência
de chamada Fonia SSB).
144,275 a 144,300 - CW (Emissões piloto)
144,300 a 144,500 - Contatos via satélite
(prioritários) Contatos terrestres em CW e Fonia SSB e
fonia FM (Secundario)
144,500 a 144,600 - Fonia FM/PM Simplex (sinais
fracos-DX)
144,600 a 144,900 - Fonia FM/PM Entrada de repetidoras
(Saída + 600 kHz)
144,900 a 145,100 - Dados FM/PM Exclusivo Radio
Pacote.
145,100 a 145,200 - Fonia FM/PM Simplex (sinais
fracos-DX)
145,200 a 145,500 - Fonia FM/PM Repetidoras (saída).
Entrada - 600 kHz.
145,500 a 145,565 - Todos os modos Exceto Radio
Pacote. Modos experimentais são prioritários demais
modos são permitidos desde que em base secundária
145,565 a 145,575 - Dados FM/PM Exclusivo APRS
145,575 a 145,800 - Todos os modos Exceto Radio
Pacote. Modos experimentais são prioritários cuidado
para não interferir em segmentos adjacentes
145,800 a 146,000 - Autorizados para comunicação via
satélite
146,000 a 146,390 - Fonia FM/PM Entrada de repetidoras
(Saída + 600 kHz)
146,390 a 146,600 - Fonia FM/PM Simplex
146,600 a 146,990 - Fonia FM/PM Saída de repetidoras,
Entrada - 600 kHz
146,990 a 147,400 - Fonia FM/PM Saída de repetidoras,
Entrada + 600 kHz.
147,400 a 147,590 - Fonia FM/PM Simplex
147,590 a 148,000 - Fonia FM/PM Entrada de repetidoras
(Saída - 600 kHz)

73, Braz Luciano PS7BL

A Internet e o Radioamadorismo

A Internet e o Radioamadorismo
(O papagaio entrevista Mr. Net, sobre a Internet e o Radioamadorismo)
A Internet e o Radioamadorismo
Entrevista *
Papagaio - O Sr. acredita que a Internet veio se somar ao radioamadorismo para proporcionar uma comunicação mais duradoura e de maior alcance?
MR. Net - Sim, a comunicação na irternet é duradoura porque este veículo proporciona condições de se capturar de forma concreta a informação, através do ato de salva-la no hard disk (H.D.), para ser utilizada posteriormente. Mas para sobreviver, necessário se faz  que  o rádio permaneça ativo, como elemento produtor de material para ser divulgado, compartilhado com a rede, mas nunca o rádio permitindo que a internet o substitua como instrumento de comunicação.
Papagaio - Considerando que a transmissão de um QTC pelo rádio nem sempre era na hora em que se estava ouvindo e a sua reprodução nem sempre era a mais fiel, você acha que perdia-se o momento?
MR. Net - A internet tem mais condições de guardar a informação. Mas se o tema da informação é o radio, é o próprio rádio que tem que produzi-la para posteriormente, esta informação, ser reproduzida por outro veiculo qualquer, pelo jornal, pela televisão, pela internet etc.. O rádio é um instrumento interativo, procedimento adotado na internet através dos “chat”, e essa analogia (não como único ponto comum entre o rádio e a rede) serve para se concluir que o rádio como instrumento que antecede à internet contribuiu de forma muito viva para a construção da rede.
Papagaio - Considerando o radio como um veículo de comunicação mais volátil e a internet mais duradoura, as mensagens emitidas pelo rádio eram diminuídas na sua importância?
MR. Net - A mensagem só é diminuída se colocada de forma errada.
Papagaio - No rádio ou na internet todos falam com todos independentemente da raça, nacionalidade, religião ou local onde se encontra. Considerando esta afirmação pode-se dizer que a Internet e a Rede Mundial de Radioamadorismo são iguais?
MR. Net - A principio pode-se afirmar que existe muito em comum entre o rádio e a internet, mas numa analise mais profunda, surgem os pontos de distinção. Como outros veículos a rede é utilizada também de forma comercial, enquanto que o radioamadorismo sempre foi utilizado exclusivamente como entretenimento. A utilização comercial, traz benefícios, e os que são remunerados por algum serviço qualquer, podem patrocinar outros serviçõs (o rádio, a televisão também adotam esta prática) mas isso pode, a longo prazo diminuir o espaço para as manifestações espontâneas. Enquanto que no radioamadorismo, esta espontaneidade  é prejudicada por uma legislação, que não se moderniza, carregada de restrições. Mesmo existindo uma aparente democratização na  internet existem barreiras sobretudo econômicas que impedem a sua utilização de forma massiva.
Papagaio - Com a prática adquirida ao longo do tempo, através dos contatos pelo rádio, pode-se afirmar que os radioamadores tem facilidade em contatar outras pessoas e por isso deitam e rolam na Internet?
MR. Net - Isso é muito relativo, a internet proporciona através das ferramentas de busca (AltaVista, Cade, Achei, etc.), de  forma muito eqüitativa, não só a facilidade de contato entre as pessoas, mas também a facilidade de se buscar respostas para muitas perguntas, se indaga sobre determinado assunto e raramente (muito raramente) não se obtém uma resposta. Portanto, considerando o exposto, pode-se afirmar que alguns radioamadores embasados na experiência, tenham mais facilidade, não de manter um contato mas de se comunicar.
Papagaio - A Internet substituirá o rádioamadorismo?
MR. Net - Considerando que o rádioamadorismo sempre foi e sempre será um instrumento utilizado por uns poucos aficionados, pode-se afirmar que a substituição do rádio pela Internet dependerá mais da vontade dos radioamadores do que dos internautas. A internet não tem o poder de invadir o espaço do rádio, este espaço só desaparecerá pela inércia do radioamadorismo. A internet é uma manifestação viva de modernidade e, para sobreviver o rádio necessita se atualizar, promovendo ações junto as autoridades para modernizar a legislação vigente, diminuindo as restrições. É um equivoco se imaginar que o fim das restrições provocará uma bagunça generalizada no rádio, a bagunça quando existe mesmo com a legislação vigente é de cunho exclusivamente cultural.
Merece esclarecimento a referencia feita nas primeira linhas do parágrafo anterior, sobre a “utilização do rádio por um poucos aficionados”, pode parecer uma afirmação negativa, mas a grande verdade é que só as pessoas que gostam de rádio fazem radioamadorismo.
 


*Entrevista fictícia, baseada em matéria publicada no "site" da ELECTRIL, intitulada "A Internet e o Radioamadorismo". Mesmo sendo imaginária as perguntas foram adaptadas da matéria citada e as respostas representam a opinião do promotor deste "site".




PS7-BL Braz Luciano de Natal - RN 

SINAL X RUÍDO


Potência x Propagação. Ou, se preferir, leia: Sinal x Ruído



    As ondas de rádio são capazes de alcançar distâncias enormes. Nessa caminhada o relevo e a atmosfera podem favorecê-las ou impedi-las, enfraquecendo ou fortalecendo o seu inimigo natural chamado RUÍDO.

    O Ruído existirá sempre e a luta consiste em vencê-lo com algo útil, audível, copiável, que se chama SINAL.
    Quando não houver sinal suficiente escutaremos só o ruído, e o comunicado não se realizará.
    Melhorar a relação Sinal / Ruído, eis o desafio a enfrentar... e ganhar !
    Por isso saiba que...
    1- Mais Potência no transmissor não necessariamente levará o sinal mais longe, apenas o fará chegar mais forte no destino, se lá o receptor for capaz de distingüí-lo.
    O estágio mais elevado e sublime do radioamadorismo se define por...
    "Mais vale um receptor sensível do que um transmissor potente"
    2 - O que leva o sinal mais longe é a Propagação para determinada freqüência naquele instante.
    Não fosse assim uma estação de rádio comercial, que opera em ondas médias com 100.000 watts de potência, cobriria o mundo todo com seu sinal. Mas isso não ocorre porque durante o dia não existem condições de propagação para este sinal naquela freqüência, e não por faltar potência na transmissão.
    Como à noite melhora sensivelmente as condições de propagação para as bandas baixas, e para que não haja mútua interferência de estações que operam na mesma freqüência, a legislação internacional determina que tais emissoras (broadcasting) reduzam a potência do transmissor até para um décimo daquela irradiada durante o dia. Na maioria dos casos com 10% da potência diurna cobrem maiores distâncias à noite, graças à Propagação.
    Como nós radioamadores normalmente trabalhamos somente dezenas de watts, a meta a perseguir pelo autêntico experimentador baseia-se no slogan dos QRPistas (operadores de baixa potência):
    "atingir a maior distância imaginável com a menor potência possível"
    3- Então o truque para otimizar o desempenho de uma estação consiste em dosar a irradiação do sinal para as condições de propagação naquela freqüência, naquele momento. A alternativa mais lógica, ANTES DE AUMENTAR A POTÊNCIA, está em " concentrar a energia irradiada", evitando desperdícios, assim...
    A - estreitar a largura da banda passante; por exemplo, migrando da FM com 10 KHz de largura e elegendo o AM com 6 KHz, o SSB com 2,5 KHz, o CW com 0,5 KHz ou outras modalidades digitais com banda passante até mais estreita.
    O preço que se paga é a queda na fidelidade sonora à medida que se estreita a banda passante.
    B - apontar o sinal para o receptor desejado através de antenas direcionais de ganho maior que a omnidirecional ou a que se estava utilizando.
    O custo disso é a queda de desempenho nos demais quadrantes.
    4 - Aumentar a potência custa caro. Para incrementar uma unidade "S" no essímetro do receptor que estiver nos sintonizando é preciso quadruplicar (multiplicar por 4) a potência. Não esquecer que a diferença entre unidades num essímetro corretamente calibrado é igual a 6 dBs. Na prática isto quer dizer...
    S-7 com 10 watts; S-8 com 40 watts e S-9 com 160 watts
    Saiba que decibéis (uma décima parte do Bell) medem uma relação logarítmica (e não linear) entre grandezas, e o dobro (2 vezes) nessa escala é igual a 3 dBs.
    5 -Um sistema irradiante não acrescenta watts aos que lhe foram entregues. Pelo contrário, descasamentos de impedância, cabos coaxiais, filtros, bobinas, baluns ou qualquer ingrediente aleatório agregado à antena roubam energia empregada pelo transmissor. Portanto, uma antena com ganho relativo maior, que esteja recebendo 100 watts do equipamento, irradiará esta energia (RF) à uma distância também maior, mas não acrescentará nenhum watt a mais aos que lhe foram entregues.
    6 -O Acoplador de Antena não melhora nem ajusta o sistema irradiante , apenas faz coincidir a impedância de saída do transmissor (em geral 50 ohms) com a leitura de impedância na extremidade do coaxial que se conecta ao equipamento. Na prática, engana o transmissor para que ele - enxergando uma ROE de 1:1 - libere toda a sua potência, já que há nele um circuito de proteção que reduz proporcionalmente a quantidade de RF à medida que aumenta a Relação de Ondas Estacionárias (ROE).
Nenhum Transceptor renderá mais do que a Antena em que ele estiver conectado.
    Antena, por definição, é um dispositivo de tamanho finito que serve para transmitir
e receber ondas de rádio.
     Converte sinais de Rádio Freqüência vindos por uma linha de transmissão em ondas
eletromagnéticas que podem se propagar no espaço livre.
    Pela sua configuração uma Antena terá polarização vertical, horizontal ou circular.
Redigido por Joel    PY3KT



PS7-BL Braz Luciano de Natal - RN